Sobre o colapso urbano

Antes de mais nada gostaria de dizer que este post está escrito há um bom tempo, só não tinha percebido que ele ainda não havia sido publicado. Perdão pelo atraso.

É fato, estamos em meio a um colapso urbano. E não é de hoje, todo este problema com água, energia elétrica, poluição, trânsito e distribuição de renda começou há décadas.

Neste momento, a saída mais simples é culpar o governo. Eles não fizeram nada para resolver, como a cidade de Jundiaí vem fazendo há muito tempo. Mas esta também é a saída mais infantil. Acreditar que nós não podemos fazer nada para mudar esta situação é, no mínimo, estranho.

E quem somos nós? O que podemos fazer?

Hoje quero utilizar o termo “nós” para me referir aos gestores e empresários. Sim nós podemos fazer muito para mudar esta situação. Se você não está dentro deste “nós”, leia este post, entenda meus argumentos e, se concordar, compartilhe.

Se você está dentro deste “nós”, reflita sobre o assunto e tome uma atitude. Pode não ser fácil, mas vai valer a pena.

Vou abordar das soluções mais simples às mais complicadas e radicais. Estas são algumas saídas possíveis para estes problemas que estamos enfrentando:

O básico

Ok, eu não deveria nem estar falando isso, mas se você ainda não instalou redutores de pressão e não comprou torneiras inteligentes para sua empresa, por favor, entre agora no site da C&C e faça a compra. Não se esqueça também da caixa acoplada com duplo funcionamento, esta não preciso nem explicar.

Outro ponto básico é a abolição da roupa social e de costumes muito rígidos para roupas. Se não estão envolvidas questões de segurança, incentive os seus funcionários a irem trabalhar com bermudas, abra as janelas e desligue o ar-condicionado.

Reduza um pouco, só um pouco a quantidade absurda de lâmpadas acesas durante o dia. Conheço muitos escritórios que tem persianas fechadas nas janelas mas mantém todas as 400 lâmpadas da sala acesas durante o dia. Seja consciente.

Adote um horário de trabalho flexível

O trânsito está caótico, a cidade fica travada com uma frequência que nunca se viu antes. Ser mais flexível no horário de trabalho de seus funcionários pode ser uma saída simples, ainda que com poucos ganhos. O grande ponto aqui é que precisamos perder aquele incômodo comum que temos quando um funcionário chega ou sai do trabalho num horário diferente do nosso.

Home Office

Esta é a saída mais eficaz, certamente. Devemos adotar uma política concreta de home office.

Ok, pode não ser 100% do tempo, para 100% dos funcionários, mas é imprescindível que você comece a adotar esta política. Com uma boa estratégia de home office implementada em boa parte das empresas, teremos menos trânsito, menos poluição, menos concentração de gasto de água e energia em locais específicos.

Eu sei que o governo não ajuda em nada e as leis para adoção desta prática são cruéis com os empregadores. Mas ficar reclamando não vai adiantar, temos que enfrentar estas dificuldades e, como bons gestores, colocar este plano em prática.

Se você tem dificuldades, comece este trabalho aos poucos. Faça um projeto para que apenas uma vez por semana uma porcentagem de sua equipe trabalhe neste regime, adapte-se aos poucos às tecnologias necessárias para o suporte deste modelo de trabalho, vá com calma.

Na contramão dos lugares-comuns sobre o home office, um novo estudo “Global Evolving Worforce”, da Dell e da Intel, mostrou que 54% dos brasileiros sentem que o trabalho remoto rende mais. Os que discordam dessa afirmação totalizaram apenas 14%.

Revista Exame

Após confirmar os bons resultados, às vezes com muito esforço envolvido, expanda o programa para mais funcionários. Veja que não é um benefício para o funcionário, mas para a empresa e para sua cidade.

Troque de cidade

Sim, leve sua empresa para outra cidade. Você não seria o primeiro a fazer isso, muitas pessoas estão abandonando a cidade grande em busca de uma maior qualidade de vida. Isso está acontecendo com colegas de trabalho próximos e com muitas outras pessoas.

Com mais pessoas saindo dos grandes centros metropolitanos, mais tecnologias que deem suporte para o trabalho remoto e uma política empresarial consistente de home office, temos total possibilidade de mudar a empresa de cidade. Recentemente conversei com um profissional que passou por este processo na empresa onde trabalha. A empresa dele, uma grande empresa de TI, saiu de São Paulo e foi para Bauru (mais de 300 km de distância).

Em outra cidade você terá profissionais a um custo mais acessível, menos impostos e custos de manutenção muito menores do que nos grandes centros. E para isso você não precisa abrir mão dos bons profissionais que já tem.

Isso também não significa que você precisa sair do Rio de Janeiro e ir para o Acre, ou de Rondônia para São Paulo. Mas talvez não seja uma ideia ruim sair de São Paulo e mudar sua empresa para Mairiporã, Jundiaí, Limeira, Registro ou outra cidade mais próxima.

Sei que esta é a opção mais complexa de se adotar e mais drástica. Mas pense nisso, pode ser interessante.

Resumindo

Passou da hora de pensarmos um pouco mais no meio ambiente, nas pessoas, em qualidade de vida e pararmos de apenas culpar o governo. Como gestores é nossa obrigação começarmos a nos mover para evitarmos problemas como os que estamos enfrentando atualmente.

Obrigado.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s